Warhol e a capa do disco The Velvet Underground and Nico

Por Andrei W. Müller, | Categoria: Sem categoria

Com uma das capas mais famosas da história, o disco The Velvet Underground and Nico teve grande influência na música e na arte. Saiba mais!

A filosofia da arte de Andy Warhol está cristalizada na capa do disco de estreia de Velvet Underground, que torna um objeto sem significado em um símbolo tão reconhecível e facilmente reproduzido quanto o rosto de Marilyn Monroe ou uma lata de refrigerante.

Warhol estava no auge de seus poderes criativos quando desenhou a capa do disco, e já era amplamente conhecido por suas impressões serigráficas coloridas representando rostos famosos e recortes de jornais, produzidos na sua “Silver Factory” (mais tarde conhecida como “Factory”). No entanto, antes de se tornar um artista independente, Warhol foi um consagrado designer comercial de peças promocionais, incluindo capas de discos.

Os membros da banda The Velvet Underground faziam parte da cena cultural que os cercava, mas sua música não era muito famosa. Embora este álbum, “The Velvet Underground and Nico”, não tenha feito sucesso quando foi lançado, ganhou importância e reputação à medida que a influência musical da banda crescia e à medida que a capa do disco gradualmente adquiria seus próprios seguidores.

A importância do relacionamento entre Warhol e a banda emergente é transmitida pelo design, que destaca o nome de Warhol de forma proeminente, mas deixa de mencionar o nome da banda – foi apenas em reedições posteriores que o grupo foi adicionado à capa. Além disso, a capa original incluía uma banana que poderia ser descascada para revelar uma segunda banana, rosa, por baixo.

O interesse de Warhol em produção de massa e o banal é claramente evidente aqui: a banana se parece com qualquer outra, um objeto mundano em grande escala, e ecoa as imagens do artista de famosos objetos comerciais, como latas de Coca-Cola, que foram representadas por ele como o maior símbolo da democracia americana do consumo. Agora, a banana é tão famosa que é frequentemente impressa em camisetas e outras mercadorias, completando sua elevação a um ícone consumista.

O disco

Conhecido como “disco da banana” pela capa icônica, “The Velvet Underground and Nico” foi lançado em 1967. Além de responsável pelo design, Warhol também foi empresário da banda e quem apresentou a cantora e modelo alemã Nico ao grupo formado por Lou Reed, Sterling Morrison, John Cale e Maureen Tucker.

Devido ao experimentalismo instrumental e das letras compostas principalmente por Reed, o disco vendeu pouco na época e foi ignorado pela crítica, mas com o tempo se tornou um dos mais influentes da história.

The Phaidon Archive of Graphic Design: ID I046

Assim como a capa, a contracapa do disco também ficou conhecida, mas por outros motivos. A imagem é uma montagem com a foto da banda durante uma performance do show Exploding Plastic Inevitable, em que pode ser vista a projeção da imagem do ator Eric Emerson no filme Chelsea Girls, dirigido por Warhol.

Na época do lançamento do disco, Emerson precisava de dinheiro e ameaçou processar a gravadora MGM pelo uso indevido de sua imagem. Em um acordo com o ator, a gravadora tirou o disco das prateleiras e interrompeu sua distribuição, prejudicando o alcance e as vendas do álbum de estreia da banda.

A parceria entre Andy Warhol e a banda The Velvet Underground também resultou na trilha sonora de vários filmes dirigidos pelo artista com músicas que, muitas vezes, eram improvisadas durante as apresentações.