Moscou contra 007: a abertura criada pelo designer Robert Brownjohn

Por Andrei W. Müller, | Categoria: Sem categoria

A abertura do filme Moscou contra 007 teve grande impacto sobre o design contemporâneo. Saiba mais sobre o designer Robert Brownjohn e seu trabalho.

Os créditos de abertura de Robert Brownjohn para a abertura do filme de James Bond Moscou contra 007, dirigido por Terence Young, é uma prova da habilidade do designer americano em combinar a arte gráfica com o glamour e um ousado senso de humor. A sequência memorável mostra uma dançarina se contorcendo contra um fundo escuro, com os créditos em cor neon passando em diferentes partes do seu corpo, se movendo para dentro e fora de foco.

Mais adiante, enquanto ela movimenta os dedos sobre uma lista dos editores do filme e os designers de títulos, as letras exalam brincadeiras e caem sedutoramente. Lindas, provocantes e fascinantes, as palavras e imagens mantêm a audiência encantada durante o momento que, em muitos filmes, pode ser uma tediosa espera até o início da ação.

Brownjohn afirmou que foi inspirado pela visão do público saindo do cinema e obstruindo os créditos finais do filme, embora ele também possa ter sido influenciado pelos experimentos de László Moholy-Nagy com luz projetada, após estudar com ele no Instituto de Design de Chicago durante os anos 1940.

Juntamente com a aclamação recebida, a sequência também é famosa pela maneira como Brownjohn supostamente sugeriu a ideia. Levantando a camisa em uma sala escura, ele projetou um slide com letras sobre sua barriga e dançou provocativamente, explicando aos produtores que o resultado seria o mesmo, exceto que a modelo seria uma mulher bonita. O processo de trabalho de Brownjohn é caracterizado por essa irreverência e contrasta com a abordagem meticulosa de seu mentor, Saul Bass.

O impacto de Brownjohn no design contemporâneo é evidente em trabalhos experimentais: a abertura gráfica para os filmes Moscou contra 007 e 007 contra Goldfinger pode ser visto como precursor das recentes animações em Flash, enquanto sua fusão pioneira de elementos conceituais e formais teve ampla influência em designers de Stefan Sagmeister a Rick Valicenti.

The Phaidon Archive of Graphic Design: ID I021

A arte gráfica e os créditos iniciais no cinema

Mentor de Brownjohn, Saul Bass foi um designer americano que revolucionou o cinema na década de 1950 ao criar aberturas inovadoras para filmes de diretores como Otto Preminger, Stanley Kubrick, Alfred Hitchcock, Billy Wilder, Martin Scorsese e outros. Antes, os créditos iniciais eram apenas uma listagem do elenco e da equipe, mas ele os transformou em clipes complementares à história do filme.

Da mesma forma, Brownjohn e a sua combinação de imagens provocativas e senso de humor irônico ajudaram a criar a tradição das aberturas dos filmes de James Bond e contribuíram para a construção da identidade do personagem, reconhecida até hoje. Os créditos de 007 contra Goldfinger, no ano seguinte, foram criados com o mesmo conceito de Moscou contra 007, com as imagens combinadas à trilha sonora icônica.

Além da abertura dos filmes, o designer também realizou outros trabalhos gráficos famosos, como a capa do disco Let It Bleed, dos Rolling Stones, e trabalhou com propaganda, arte, design e música em Nova York, Chicago e Londres. Seu trabalho foi adquirido pelo Museum of Modern Art de Nova York (MoMA), incluindo pôsteres, cartões, peças publicitárias e as peças cinematográficas criadas para os filmes de James Bond.