‘’Como vive a outra metade’’ ensaio retrata a desigualdade social na cidade de Nova York no ano de 1890

Por diandra, | Categoria: Fotografia

Jacob Riis revolucionou o fotojornalismo ao publicar o ensaio sobre as ruas da cidade, antes ignoradas pelas páginas dos jornais

Entre os anos de 1865 e 1918, os Estados Unidos começam a se consolidar como uma das maiores potências políticas, econômicas e militares do mundo
. As cidades se tornaram os centros econômicos do país, as indústrias superaram a agricultura e a pecuária, elevando drasticamente a migração rural.

 

Durante esse período, milhares de estrangeiros imigraram para o território estadunidense, entre eles o dinamarquês Jacob Riis. O jovem Riis então com 21 anos, desembarcou nos Estados em 1970 com apenas 40 dólares no bolso, e um pouco de experiência em carpintaria. Naquela época, ainda não tinha pretensões em se tornar um fotojornalista, como veio a ser alguns anos depois.

Nos primeiros anos nos E.U.A, Jacob Riis trabalhou como ferreiro , pedreiro, carpinteiro e vendedor. No entanto, vivia em extrema pobreza e passou por dificuldades por vários anos. O interesse posterior em fotografar a realidade dos imigrantes e de pessoas em situação de pobreza, também se deve ao período que ele mesmo sentiu na pele, as situações que essas pessoas passavam todos os dias. Os problemas totalmente alheios as páginas dos jornais, da ascendente burguesia e da elite americana.

Em 1874, Riis conseguiu o primeiro trabalho como repórter policial no New York Sun, após três anos de experiência em 1877, mudou para o jornal New York Tribune.

Lá, realizou reportagens de cunho social, relatando as dificuldades enfrentadas por imigrantes,tanto que em uma das matérias registrou que cada bloco de vizinhos abrigava 1.324 imigrantes italianos, em um total de 132 quartos. Em cada quarto, Riis encontrou cerca de 20 pessoas, no total, cerca de um terço da população de Nova Iorque – 1,2 milhões – viviam em cortiços, sem água corrente e quase 40% por centro deles tinham tuberculose.

Das sua experiências e também trabalho nas ruas de Nova Iorque, surgiu o ensaio ‘’how the other half lives’’, uma serie fotográfica baseada em descrições, fotografias e estatísticas. Ele condena o sistema de habitação de cortiços, e que a maioria das pessoas a beira da miséria, era a causa de negligência e ganância das pessoas mais ricas.

Jacob tinha esperança de que o ensaio tocasse no coração das pessoas, de forma que as motivassem a erradicar os problemas que as cercavam.

A iniciativa de Riis revolucionou o fotojornalismo, no sentido de formação da opinião pública acerca de assuntos não pautados nos jornais estadunidenses. Apesar do ensaio de Riis ser em gravuras, alguns anos depois em 1904, as fotografias começaram a ser utilizadas definitivamente nos jornais como ilustração e complemento das notícias.

O ensaio de 1890, constituiu-se numa obra atual, se considerarmos o aspecto de desigualdade social, não só nos Estados Unidos, mas porque se trata de uma realidade cotidiana de muitos países, e um segundo ponto, porque apesar do campo do fotojornalismo ser muito presente, nem todas as realidades ainda tem espaço, principalmente nos grandes meio de comunicação, onde as redações são enxutas devido ao capital e aos interesses de outras corporações.

O trabalho de Jacob Riis cumpre a missão de um trabalho fotojornalismo, assim como ele desejava que fosse, para que pessoas conheçam a realidade de outras (ou outros tipos de realidade) e se sensibilizam em relação aos assuntos cotidianos da sociedade.

A versão em inglês do livro ”How the other half lives”, você pode acessar aqui.